segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Abdel Halim Hafez, o maior cantor árabe de toda História

(material organizado por Monthana Morimã ao Curso de Aprofundamento em Dança Oriental com Yasmine Amar)


Abdel Halim Ali Shabana,comumente conhecido como Abdel Halim Hafez viveu apenas 48 anos (21 de junho de 1929 - 30 de marco de 1977), Ele é considerado um dos quatro grandes nomes da música egípcia e árabe, junto com o Umm Kulthum, Mohammed Abdel Wahab e Farid Al Attrach. Halim era conhecido por sua paixão ao cantar, poderosa voz maravilhosa, (ganhando o nome de "o rouxinol"). 
A música de Abdel Halim,  ainda é tocada fortemente nas rádios diariamente no Egito, no mundo árabe e além. Abdel Halim Hafez é amplamente considerado como o maior cantor na história da música árabe.
Ele nasceu em El-Halawat, em 80 km (50 milhas) ao norte do Cairo, no Egito. Abdel Halim era o quarto filho do xeque Ali Ismail Shabana. Sua mãe morreu de complicações após o parto com ele, e seu pai morreu cinco meses depois, deixando Abdel Halim e seus irmãos órfãos. Abdel Halim foi criado por sua tia e tio, no Cairo.
Suas habilidades musicais se tornaram aparentes quando ele estava na escola primária, e seu irmão mais velho, Ismail Shabana foi seu primeiro professor de música. Aos 11 anos de idade ingressou no Instituto de Música Árabe no Cairo e ficou conhecido por cantar as canções de Mohammed Abdel Wahab. Graduou-se do Instituto Superior de Música Teatral.
O desempenho Abdel Halim era muito popular com a audiência ao vivo, e foi ouvida por
Hafez Abd El Wahab, supervisor de programação musical da rádio nacional do Egito, que decidiu apoiar o então desconhecido cantor. Abdel Halim tomou "Hafez", primeiro nome Abdel Wahab, como seu apelido em fase de reconhecimento. Halim venceu todas as probabilidades de ser um órfão muito pobre para se tornar um dos cantores mais populares e queridos do mundo. Estádios e arenas não eram suficientes para alojar a demanda de público e Halim começou a atuar em desertos, coliseus romanos, e as arenas ao ar livre, alguns dos quais reunindo até um milhão de pessoas. Muitos dos seus concertos em toda parte reuniram facilmente cerca de cem mil pessoas. Halim foi idolatradao, venerado e amado  por milhões e milhões de pessoas no mundo árabe e além, e assim Halim alcançou fama internacional. Halim era filantropo, ajudando jovens artistas e ajudando muitas pessoas com o que ganhava.
Halim sempre movido pelo palco como nenhum outro artista, comunicava-se com o público e com os músicos ao mesmo tempo de uma forma muito marcante e um de uma maneira amável. Possuidor de raro e puro  de carisma natural puro, seu talento ia além dos filmes, era excelente musicista sabendo tocar diversos instrumentos muito bem.
É considerado fortemente como o maior cantor da história da música árabe. Abdel Halim certamente ganhou nomes como o rei indiscutível do romance, o rei da música árabe, o rei das emoções e sentimentos, o embaixador do amor.
Halim sempre deu o seu dinheiro aos pobres. Uma das muitas maneiras que ele fazia isso era enchendo envelopes de dinheiro no início do mês, todos os meses do ano, enviando esses envelopes para muitos lugares do Oriente Médio.
Abdel Halim ajudou a melhorar a vida de milhares de pessoas em um período muito curto de tempo. Muitas vezes ele dava dinheiro e alimentos para instituições de caridade e aos pobres, diretamente toda a sua vida. Halim normalmente ia para orfanatos e hospitais em todo o Oriente Médio para dar muito dinheiro, ensinar música e também ajudar as pessoas de lá. Muitas vezes Halim ia diretamente onde os pobres estavam a viver e dar-lhes comida e dinheiro. Em 1969 Halim construiu um hospital no Egito para ajudar as pessoas.
Abdel Halim nunca se casou, apesar de rumores persistentes de que ele teria sido casado secretamente com a atriz Soad Hosny por seis anos. Curiosamente, Soad Hosny morreu no dia do aniversário de Abdel Halim (21 de junho) em 2001, em uma morte que as cortes britânicas consideraram suicídio (embora esta conclusão seja contestada).
Apesar disso, Abdel Halim foi apaixonado, em sua juventude, por uma jovem cujos pais se recusaram a permitir que se casassem. Depois de quatro anos, seus pais finalmente aprovaram o casamento, mas a menina morreu de uma doença crônica antes do casamento.  Abdel Halim nunca se recuperou desta perda e dedicou muitas de suas canções mais tristes de sua memória, incluindo Fi Youm, Shahr Fi, Sana Fi (Em um dia, um mês, um ano) e o comovente el-Qariat Fingan.Abdel Halim contraiu uma doença parasitária de água. E foi dolorosamente atingido por ela.  A doença era tão grave que ele entrou em coma varias vezes e experimentou muitas situações de quase-morte. No entanto, Halim lutava bravamente  até o fim. Muitas pessoas que estavam próximas a ele dizem que "Se fosse qualquer outra pessoa com essa doença, que teria vivido apenas 30 anos, mas Halim lutava tão bravamente e viveu até 47 anos com essa doença horrível". Ao longo da sua vida dolorosa, ele foi uma pessoa extremamente positiva, altamente persistente e muito marcante.
Halim tinha um relacionamento muito estreito com muitos presidentes e reis. Gamel Abdul Nasser tinha uma amizade muito estreita com Halim bem como o rei de Marrocos também.
tinha amizade muito grande com a maioria dos cantores da sua época no mundo oriental. Halim era uma pessoa incrível, uma personalidade incrível e rara tendo deixado muitos amigos verdadeiros e uma legião de fãs ardorosos e apaixonados.
Abdel Halim morreu em 30 de março de 1977, há poucos meses de seu aniversário de 48 anos, durante o tratamento da esquistossomose no King's College Hospital, em Londres. Seu funeral (no Cairo) foi assistido por milhões de pessoas - mais do que qualquer funeral na história do Egito que não seja do presidente Gamal Abdel Nasser (1970). Pelo menos quatorze mulheres cometeram suicídio ao ouvir a notícia de sua morte. Ele está enterrado no Al Rifa'i mesquita no Cairo. Muitas pessoas de todas as idades ficaram extremamente doentes ao ouvir a morte de Halim. Muitas pessoas usaram preto para honrar todos os Abdel Halim depois de sua morte por um ano inteiro. Eles também pintaram as portas todas de preto em homenagem a Halim, até hoje muitos ainda estão em preto.
Abdel Halim é o artista mais revolucionário do mundo oriental já viu.
Em 2000, 23 anos após a morte de Halim, foi votado e ganhou para obter a adjudicação do maior artista árabe do milênio. Ele é amplamente considerado o maior cantor da história da música árabe. Sua forma de cantar, sua popularidade das suas canções e seu comportamento, fez dele um grande modelo para quase todos os cantores árabes moderno.
Os dois grandes compositores Mohammed Abdel Wahab e Mohammed Al-Mougy ambos disseram "Halim é a pessoa mais inteligente que já conheci". O grande compositor Mohammed Al-Mougy disse "Halim é altamente original em tudo que fez e extremamente original em sua obra. Sem Halim um número muito grande de artistas e atores nunca teriam obtido êxito. Halim realmente ajudou uma quantidade muito grande de artistas e atores se tornarem um sucesso.


"Se Halim tivesse vivido mais tempo, teria mais que revolucionado a música árabe mas influenciado a música no mundo."

(grande poeta Nizar Qabbani sobre Abdel Halim Hafez)

Umas quantidades muito grandes de pessoas de todas as idades consideraram a última canção de Halim (Qariat fingan-el) “como sendo a melhor canção árabe. Suas canções mais famosas incluem Ahwak ("eu te amo"), Khosara ("O que é uma perda"), Gana El Hawa ("O amor veio até nós"), Sawah ("Andarilho"), Zay El Hawa ("O amor está no ar”), Mawood (“Prometida") e El Massih (“O Cristo"), entre as 260 músicas que ele gravou. Sua última música é provavelmente a mais famosa, el-Qariat Fingan ("A cartomante").

Juntamente com Mohammed Abdel Wahab e Magdi el-Amroussi, Abdel Halim foi um dos fundadores da gravadora Soutelphan egípcia, que continua a operar até hoje como uma subsidiária da EMI Arabia. A empresa foi fundada em 1961.

Em 2006, um filme sobre sua vida “Haleem", foi lançado com o falecido ator Ahmad Zaki no papel-título, produzido pela Good News Group. Ele também foi retratado em uma novela, que foi um enorme sucesso no mundo árabe.

Principais Músicas:

Ahwak
Ala Ad Shok In Return For The Love
Ala Hesb Wedad
El Massih
Fatet Ganbena
Gabbar
Gana El Hewa
Hawel Teftekerni
Kariat El Finjan
Mawood
Nebtedi Menein Hekaya
Sawah
Al Toba
Zay Al Hawa




"É importante que nós , bailarinas , saibamos compreender os sentimentos dos quais emanaram as músicas que dançamos, em especial, as obras deste inigualável cantor e compositor.  Um homem que teve a vida de seus pais ceifadas pelo destino, que encontrou o amor e viu mais uma vez a vida privar-lhe deste convívio e mesmo assim teve tanto amor para compartilhar ajudando tantas pessoas, é realmente uma alma iluminada da qual só poderiam brotar obras primas.  Procurar sentir a profundidade de sua música e transmitir essa complexidade é o mínimo que podemos fazer diante tamanha genialidade." 
(Yasmine Amar,uma fã incondicional das obras deste músico árabe)



Referências

Abdel Halim Hafez "Searching for Cinderella" , Kenway Kris, Egipto , Junho de 2004 (acessado em 20 de fevereiro de 2009)
Aburish, Said Nasser K. (2004), "O Árabe Passado", Nova York: St. Martin's Press, p. 315, ISBN 9780312286835
Wikipédia - acessado em novembro de 2010

domingo, 7 de novembro de 2010

Umm Kulthoum “A Estrela do Oriente”



Biografia Um Khaltoum

(Texto elaborado por Triana Ballesta -Campo Grande / MS)




A cantora, compositora e atriz Umm Kulthoum mesmo a mais de três décadas após sua morte, ainda é reconhecida e reverenciada como uma das personalidades mais ilustres do mundo árabe do séc. 20. Não é por menos que responde pelo título de “a estrela do oriente”, pois sua figura foi fortemente marcada não só no Egito como em todos os países árabes, tanto artisticamente, quanto culturalmente e politicamente. Ela se tornou realmente uma referencial musical e humana – um mito.

Nasceu com o nome de Fatima Ibrahim al-Baltaji na aldeia de Tamay ez-Zahayra em El Senbellawein, província de Dakahlia, na região do Delta, perto do Mar Mediterrâneo. Sobre sua data de nascimento, o Ministério da Informação do Egito parece ter considerado 31 de dezembro de 1898 ou 31 de dezembro de 1904. Provavelmente ela nasceu entre essas duas datas, pois, esta, não pôde ser confirmada.
Sua família era pobre e seu pai, al-Shaykh Ibrahim al-Sayyid al-Baltajil, era um “xeque” local que recitava o Alcorão em ocasiões festivas, como casamentos ou os Maulids (celebrações das datas de nascimento de figuras do islão, como do profeta Muhammad) e sua mãe era doméstica.
Desde muito pequena, Umm kulthoum se mostrou muito talentosa para a música e seu pai, então, lhe ensinou a recitar o Alcorão, que segundo ela própria, havia memorizado o livro todo. Com cerca de 10 anos, seu pai a disfarçou de homem e levou-a para participar da pequena companhia de recitação do qual ele organizava.
Aos 16 anos, começou a aprender músicas de repertório clássico com um cantor chamado Abol Ela Mohamed e poucos anos depois, ela conheceu o famoso compositor e tocador de oud (alaúde) Zakariyya Ahmad, que a convidou para ir à capital Cairo. Porém, só em 1923 ela e sua família se mudaram para a capital onde iniciaram seus estudos na música com professores contratados por seu pai a fim de aperfeiçoar o talento as filha.
Umm Kulthoum freqüentava a casa de alguns artistas e aprendeu a tocar oud com o músico Amin Beh Al Mahdy e se tornou a melhor amiga de sua filha Rawheya Al Mahdi. Nessa época, evitava aparições públicas e sempre andava acompanhada por seu pai, mas já na década de vinte tinha sua própria independência.
A Cantora sempre teve um comportamento controlado e reservado para o meio artístico em que freqüentava, não sucumbindo ao estilo de vida boêmio e sempre enalteceu suas origens humildes e ao apego religioso, o que contribuiu muito para admiração e respeito do publico.
Ao ser apresentada por Ahmed Rami, Kulthum foi introduzida na literatura francesa, pois o compositor estudara na Sorbonne em paris e mais tarde se tornou o principal mentor na Literatura árabe. Ele escreveu 137 canções para Kulthum. Além disso, ela teve contato nessa mesma época com o renomeado músico, tocador de oud Mohamed El Qasabgi e introduziu a cantora no Palácio do Teatro Árabe, onde ela fez seu primeiro grande sucesso público.
Em 1932, sua fama aumentou de fato e Umm Kulthum deu início a uma grande turnê pelo Oriente Médio fazendo shows pelas principais cidades da região como Damasco, Bagdá, Iraque, Beirute e Trípoli no Líbano.
Nesse período Umm Kulthum começou a gravar discos e em 1935 ocorreu a sua estréia cinema, com a longa-metragem Wedad. Este foi o primeiro de seis filmes que contaram com a participação da artista. As canções interpretadas pela artista eram de natureza religiosa e popular.
Sua influência foi tamanha que se estendeu para além da área artística, ao longo de sua carreira teve forte representação popular, religiosa e política. Umm kulthoum se apresentou em concertos privados para a família real que iriam prestigiá-la inclusive nas aparições publicas também.
Em 1944, o rei Farouk I do Egito condecorou-a com o seu mais alto nível de ordem (Nishan El Kamal), porém, apesar desse reconhecimento, a família real se posicionou contra seu potencial casamento com o tio do rei. Essa rejeição feriu profundamente o orgulho de Kulthoum, o que levou ela a se afastar da família real, dando maior empunho as causas populares como, por exemplo, a resposta aos pedidos pelos egípcios presos em Falijah em 1948 durante o conflito árabe-israelense, cantando, então uma música em particular para eles. Foi assim que em 1948 Gamal Abdel Nasser, futuro presidente do Egito, se tornou admirador do talento de Kulthum, pois era um dos militares que assistiram a esse concerto.
Nasser foi um dos que lideraram a revolução sem derramamento de sangue de 23 de julho de 1952 e já se tornara um grande admirador da artista Umm Kulthoum. Nesse momento, os músicos egípcios “guilda”, dos quais ela se tornou membro (e até presidente), estavam sendo impedidos de trabalhar, com a desculpa de que haviam se apresentado ao deposto rei Farouk do Egito. Ao saber que Kulthum não poderia mais cantar, Nasser teria dito algo no sentido de “O que são? Loucos? Querem que o Egito se volte contra nós?”. Assim, puderam voltar a se apresentar no Egito.
Em 1953, casou-se com um homem que a respeitava e admirava, seu médico por muitos anos, El Hassen Hafnaoui, tendo o cuidado de incluir na mesma cláusula de casamento o poder dela de decisão de divórcio, se aplicável. (conduta raramente usada nesse período no Egito e demais países de cultura religiosa mulçumana).
Em meados dos anos 60, a saúde de Umm Kulthoum começou a se deteriorar. Tendo que cancelar seus espetáculos devido a problemas na vesícula biliar e posteriormente infecções no fígado. Ela se mudou para os Estados Unidos na tentativa de um melhor tratamento para sua doença, no entanto, retornou ao seu país de origem com a saúde já muito debilitada, fazendo seu ultimo concerto em dezembro de 1972.
Um Kulthum faleceu no Cairo em 03 de Fevereiro de 1975 vítima de um ataque cardíaco. Seu funeral foi marcado para a mesquita Umar makram, local conhecido por nele decorrerem funerais de altas personalidades egípcias, contudo, teve que ser adiado por 2 dias, devido a chegada de numerosos fãs ao país, mesmo esse adiamento ser contra as práticas funerárias mulçumanas.
Seu funeral foi assistido por mais de 4 milhões de pessoas e a multidão tomou controle de seu caixão, que foi carregado até a mesquita e então liberado para o enterro.



Sua obra e popularidade

"Imagine um cantor com o virtuosismo de Joan Sutherland ou Ella Fitzgerald, a personalidade pública de Eleanor Roosevelt e audiência de Elvis e você tem Umm Kulthum, a cantora mais talentosa de seu século no mundo árabe."
Virginia Danielson, Harvard Magazine


A fama de Umm Kulthoum se tornou grandiosa graças a diversos fatores históricos, sociais, políticos, culturais, artísticos e pessoais tendo o seu trabalho influenciado músicos como Bob Dylan, Maria Callas, Bono, Led Zeppelin e outros.

No início de sua carreira havia duas cantoras que também se destacavam no meio artístico e que também tinham vozes belas e poderosas, eram elas: Mounira El-Mahdiya e Fathiyya Ahmad. No entanto, Umm Kulthum se destacava por ter um maior controle sobre sua voz, como também maior impacto emotivo vocal, isso fez com que atraísse os melhores e mais famosos compositores, músicos e poetas para trabalhar com ela.
Ao final da década de 20, Mohammad el Qasabgi, que era o tocador de oud de maior técnica e um dos mais talentosos compositores árabes do século XX, porém, ainda não reconhecido, formou sua pequena orquestra (takht), composta pelos instrumentistas da mais alta técnica. Ele introduziu na música egípcia instrumentos europeus, como o violoncelo e contrabaixo, além disso, ao contrário da maioria dos artistas que lhe eram contemporâneos, que realizavam concertos privados, muitas de suas performances junto a Umm Kulthum eram abertas ao público, o que contribuiu para que a música clássica, vista como elitista, transitasse para a música popular árabe.
Seus concertos eram muito longos, cerca de 6h de duração, no qual se poderia interpretar de 2 a 3 canções, assim era um típico concerto de Umm Kulthoum, desfrutando ao máximo e com muita propriedade do meio improvisação característico da cultura árabe. Dentro desse universo, Kulthoum soube desenvolver uma técnica própria de improviso repetindo uma única frase ou trechos de uma mesma música muitas vezes, alterando sutilmente a ênfase emotiva e intensidade a cada momento, foi considerado como "nunca ter cantado uma linha da mesma forma duas vezes".
Para ela, essa interação emotiva com o público era tão intensa que foi o principal motivo que a fez querer parar de atuar no cinema, pois não se sentia satisfeita com a frieza dos estúdios de filmagem, além do mais, as luzes danificaram seus olhos claros e sensíveis, forçando-a a usar óculos escuros na presença de luzes fortes.
A maior parte das gravações de suas musicas foram feitas ao vivo, e nelas é possível captar essa interação da cantora com o público o que torna o resultado antes de tudo fascinante. Poucas de suas gravações foram feitas em estúdio, e essas, por sua vez, foram feitas antes de terem sido cantadas ao vivo.
As musicas representadas por Umm Kulthoum em sua maioria trata de temas universais como amor, saudade, perda, mas ainda há um grande repertório de musicas nacionalistas e religiosas. No entanto, a maior parte de suas canções são realmente tristes. Essa característica pode se notar sem mesmo fazer a leitura de suas letras, pois, apenas ouvindo suas interpretações são claramente notáveis os sentimentos sendo transmitido, o que inclusive, eleva sua sonoridade ao estado de “tarab”, estilo em que a cantora transcende a um estado de êxtase musical. Esse estado de euforia é partilhado entre o artista e o público como uma forma de “catarse”. Habib Hassan Touma explica:
“A intensidade da tarab depende principalmente do desempenho e estilo de voz do cantor, como exemplificado por Umm Kulthoum melódico. Suas performances, muitas vezes, apenas dispõem de uma sequência fixa rítmico-temporal junto à organização das passagens melódicas. Ela trabalha algumas de suas rigorosas formas rítmicas a fim de repetir e variar os trechos individuais de forma improvisada, ou transformar o material musical mais dramático no âmbito dos tradicionais princípios culturais. Suas performances, dessa forma, se definem por entre o que ela apenas interpretou e o que ela mesma criou . O contraste musical entre o fixo e o improviso livremente estruturado, embora relacionados, cria, em geral, uma tensão de opostos que evoca a tarab que é familiar ao ouvinte. A ênfase deste contraste representa o mais marcante elemento estilístico de Umm Kulthoum de arte. " (Música dos árabes, p.149)
Normalmente os compositores escreviam canções especificas para serem interpretadas por Umm Kulthoum. Mohammed el-Qasabji era o compositor que escreveu a maior parte das músicas interpretadas por Kulthum no início de sua carreira, no entanto, a partir da déc. de 30 que a cantora obteve maior sucesso com as composições de Riad el-Sounbatti e que continuou a escrever para a cantora até a sua morte, sendo o compositor que forneceu o maior número de canções à estrela durante sua carreira.
Em 1934, Umm Kulthoum já era certamente uma das cantoras mais famosas do Egito e foi escolhida como a artista a inaugurar a Rádio Cairo com sua voz em 31 de maio. Foi também nos anos 30 que a cantora começou a participar de musicais e em transmissões regulares na rádio ao vivo de seus shows além de sua estréia no cinema. Era conhecida por esvaziar as ruas do Cairo durante sua transmissão.
Os anos 40 foram muito representativos em termos de fama e também apuro técnico de sua incrível capacidade vocal, diz-se que sua voz clara e forte fazia 14000 vibrações por segundo, esse período foi popularmente nomeado por “idade de ouro” de Umm kulthoum. Muito de seu trabalho neste momento foi escrito por Zakariya Ahmed, suas composições tendem a ser relativamente simples, permitindo amplo espaço para a improvisação tanto para Umm Kulthoum quanto para seus instrumentistas. Isso representou uma mudança dramática das canções românticas modernistas dos anos 30 o que resultou num repertório populista e duradouro para o público egípcio.
O ativismo político de Umm Kulthoum aumentou depois da revolução Egípcia de 1952. Em entrevistas, ela falou abertamente sobre seu reconhecimento e crescimento a partir do empobrecimento da população do Egito e suas esperanças.
Após a derrota do Egito na guerra de 1967 contra Israel, ela, Kulthoum realizou uma série de concertos para beneficiar seu país. Em meio aos grandes problemas de ordem política, econômica e cultural que o Egito enfrentava, a cantora foi símbolo marcante para a reestruturação da nação apoiada por uma relação estreita de amizade com o presidente Nasser que encaminhou seu governo ditatorial rumo a um ideal de modernização e identidade cultural da nação egípcia financiando e incentivando diversos ramos de produções artísticas como o cinema, música, literatura, dentre outros.
Kulthoum alem de arrecadar fundos para o governo, investiu em obras de caridade e ficou famosa por fazer doações aos pobres. Uma das notas de sua biografia diz que ela ajudou mais de 200 famílias de agricultores durante sua vida. Além disso, a cantora sempre viveu, sem ostentação e com o desejo de ficar mais perto da vida dos seus compatriotas.
Nessa década de 60, Riad el-Sounbatti escreveu canções como ""Al Atlal" (1966) é particularmente um famoso trabalho deste período, pois, a princípio, trata-se de um poema de amor, mas as palavras abrem espaços a outras interpretações de cunho político e crítico com relação a situação política vigente no Egito. Virginia Danielson (sua biógrafa) descreve: "Várias das linhas clímax tem um significado político: Dá-me minha liberdade, de libertar as minhas mãos!" Eu tenho dado livremente, eu tenho travado sem nada sangrar. Ah, o que suas correntes fizeram ao meu pulso... . Em 1966, essas linhas foram vistas por alguns como destinatários as medidas repressivas do governo Nasir. Após a derrota egípcia de 1967, adquiriu um significado maior , sugerindo um sentimento de cativeiro de muitos egípcios e árabes no mundo inteiro. " (Voz do Egito, p. 180)
Na sequência da derrota do Egito na guerra de 1967, ela realizou uma série de concertos para beneficiar o Egito.

“Inta Omry” (1964) foi a primeira peça Mohammed Abdel Wahab composta por Umm Kulthoum, e é também a primeira vez em que ela cantou acompanhada ao som de uma guitarra elétrica que foi introduzida na formação dos instrumentos. Isso não é uma coincidência: Abdel Wahab é por vezes referido como um "modernista" no sentido de que ele adotou novos instrumentos estrangeiros. Uma grande atenção foi dada à produção em estúdio dessa canção: "Sayyid al-Masri (que esteve diretamente envolvido) estima que a edição de 'Inta Omry” durou " 200 horas ". (Shaping Tradition, p. 263).
Baligh Hamdi, um jovem compositor na época, também começou a compor para Umm Kulthoum na década de 1960. A gravação ao vivo de Baligh Hamdi é "Baid Anak" (1965) demonstra a impressionante forma com que Kulthoum cativa seu público. Gravação revela um membro da platéia, muito entusiasmado grita muito alto logo após Kulthoum começar a cantar, a artista simplesmente tece seu canto em torno de seu choro, sombreado por ela corre o kanun improvisado, e afirma controle total sobre a platéia.
Hoje, mais de 300.000 gravações da cantora são vendidas anualmente em sua terra natal. A voz do "Rouxinol do Egito" ainda paira nos cafés do Cairo, nos táxis, parece estar a correr na brisa de Alexandrina. Para os egípcios há duas coisas que nunca mudam no Egito: as pirâmides e a voz de Umm Kulthoum. Um filme biográfico, “Umm Kulthum: A voz do Egito” foi lançado em 1997 e uma biografia foi escrita pela americana Virginia Danielson em 1991 pela Universidade de Chicago.




A música de Umm Kulthoum e a dança - Considerações pessoais

Somando todos os componentes que completam a magnitude da obra de Umm Kulthoum não é difícil entender o motivo que a leva ocupar uma das principais referências musicais (me arrisco em afirmar, a principal referencia musical) utilizada não apenas como uma necessidade superficial para a realização da movimentação corporal técnica da dança, aliás, essa interpretação ou “manipulação” empregada na relação musica-dança não é aplicável a esse gênero de dança, pois, este, carrega uma hereditariedade histórica, geográfica e cultural que a condiciona a uma conduta muito mais ampla e aprofundada de expressão artística.
A importância da utilização da música de Kulthoum como referência para a dança do ventre e demais variedades de danças tradicionais da cultura árabe está diretamente ligada à própria transformação histórica e cultural que o Egito e o próprio Oriente Médio passara no período entre o final do séc. XIX até os anos 70 e podendo se estender até hoje devido a sua forte e tradicional cultura que luta contra a ocidentalização.
Unindo o grandioso talento de Kulthoum aos compositores de renome, à necessidade e a política de reestruturação e reafirmação das raízes culturais egípcias com a advento do rádio, cinema e televisão traçou-se tradições culturais renovadas também e destas, o surgimento do mito Umm Kulthoum.
Obviamente a sonoridade criativa e emotiva das canções de Kulthoum é prato cheio para qualquer bailarina de Dança do Ventre, pois é a partir da música que a bailarina demonstra sua sensibilidade e através de seu corpo transcende essas emoções, para si mesma e para o público.
Outro fator de extrema relevância é o fato de que a artista é símbolo da popularização da música clássica. A abertura desse canal de estreitamento entre o “nobre” e o “popular” tornou possível a glamorização da dança do ventre, mudando radicalmente daí por diante a história das danças orientais no mundo. Pois a dança, uma vez popular e grosseira, necessitou de maior refinamento em detrimento da música clássica. Esse refinamento se deu tanto nas técnicas dos movimentos corporais quanto nos trajes, vestimentas e conduta profissional e artística das bailarinas.
A partir desse momento, as bailarinas ocuparam outro espaço social e artístico, agora surgiam as “estrelas” no mundo da dança, a exemplo disso temos Samia Gamal que inclusive desfrutava de composições musicais de Kulthoum e Mohamed Wahab feitas exclusivamente para ela.
Tecnicamente falando, as notas musicais, os instrumentos, os ritmos e as vibrações sonoras da maior parte das canções que ficaram marcadas por Kulthoum, são incrivelmente satisfatórios para qualquer bailarina que possui boa formação clássica oriental. Sua leitura corporal deve responder tanto à melodia quanto às nuances e mudanças rítmicas que compõem a sequência musical, além da percepção e leitura dos diferentes instrumentos musicais que lhes são característicos, não deixando de lado jamais seus solos com base de improvisação como também se deixar infiltrar pelo estado de tarab.
Realmente é intrigante pensar em como tal riqueza e sutileza auditiva despertada por Kulthoum conseguiu abranger todas as camadas da população do Oriente Médio. Certamente porque essa riqueza não é apenas auditiva, está relacionada a questões propriamente humanas. Tão ou mais intrigante ainda é o fato da revelação de tal mito ser representada por uma mulher, em uma cultura que restringe tão rigorosamente a liberdade feminina.

Podemos imaginar então como se deu esse impulso da liberdade feminina e aceitação social e artística das bailarinas da Dança do Ventre?

Bons estudos!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Ritmos Árabes e Instrumentos Musicais Árabes - Terceiro Módulo do Curso de Aprofundamento em Danças Orientais

*Este post é material do Treceiro Módulo do Curso de Aprofundamento em Danças Orientais ministrado por Yasmine Amar



Apresentação do Terceiro Módulo:


1  Introdução


2  Principais Ritmos Árabes




             Baladi / Maksoum Sagir e Kbir/ Said/ Masmoudi


             Chiftitelly/  Wahda Tawila


             Ayoub


             Malfouf, Soud e Khallige


             Samaai


             Karachi ,Falahi e Zaffa


             Rush


3) Principais Instrumentos Musicais Árabes


4) Tarefa


5) Referências





1       Introdução


“A palavra "Música" vem do grego "Mousiki" que significa a ciência de compor melodias. Qilm al-musiqa era o nome dado pelos árabes para a teoria grega da música para distinguí-la de Qilm al-ghinaa' que era a teoria prática árabe.”


A dança árabe é determinada pelo acompanhamento musical. Esta música nunca é simplesmente pano de fundo. É tarefa da bailarina expressar as emoções solicitadas pela música e durante improvisações destacar a qualidade do instrumento que sola, extraindo dele sua qualidade essencial, tudo através da dança. O termo música arábe é enganoso. Notas, ritmos, instrumentos e estilos de canto variam de país para país. Ainda assim, toda música árabe compartilha certas semelhanças. Uma delas é que dentro de sua estrutura formal, ela reteve do passado uma fortíssima qualidade na improvisação e em sua essência ela é altamente melódica. Ao contrário da música ocidental, ela não desenvolveu o uso da harmonia. A razão básica é que harmonia depende de um sistema tonal fixo (um espaço invariável entre notas). Toda escala na música árabe tem certas posições fixas – tons e meios tons – como na música ocidental, mas entre eles existem notas sem lugar fixo e que caem em posições ligeiramente diferentes numa escala cada vez que são tocadas. Na música árabe, uma única oitava pode conter algo entre 18 e 22 notas com intervalos tão pequenos quanto a nona parte de um tom. As únicas composições que podem incluir harmonias simples são aquelas baseadas na melodia e escala ocidental. É este tipo que ouvimos nas gravações orquestradas modernas. Dentro do elaborado sistema de escalas da música árabe, os instrumentistas tem espaço para explorar a melodia, mais ou menos da mesma forma parecida que uma improvisação de jazz. Isto é feito utilizando a melodia e tecendo padrões complexos ao redor dela, do mesmo modo que a arte islâmica começa com um motivo central e ornamentos ao redor dele para construir os padrões arabescos.




2  Principais Ritmos Árabes


“Ritmo é um movimento, ruído, batidas que se repetem no tempo e intervalos regulares, com acentos fortes e fracos.”




Baladi / Maksoum Sagir e Kbir/ Said


Baladi - O Baladi é um ritmo inserido no grupo dos derivados do Maqsum. Maqsum simples é a base de muitos ritmos e especialmente importante na música egípcia. Se você ouve música oriental com acopanhamento de percussão, certamente reconhece o tradicional DT-TD-D do Maqsum.O Baladi é uma versão folclórica do significado da terra, do campo e envolve no Egito um pouco de regionalismo Maqsum, caracterizado pelos familiares dois dums que lideram a frase. A palavra Baladi, o folclore. Este ritmo é muito típico aparecendo com frequência na música para Dança Oriental. O Dum duplo tende a submergir quando há acompanhamento melódico por isso, às vezes, pode não ser ouvido de imediato, então utiliza-se como base, uma versão simples de Maqsum.


Said - Este ritmo, novamente na essência um Maqsoum, com diferente sabor e assento, é popular no Alto Egito. Similar ao Baladi, é usualmente tocado de forma acelerada, com batidas sobrepostas e fortes. É tradicional para Tahteeb (dança masculina do bastão), assim como para Dança do Ventre, especialmente na conhecida como Dança da Bengala, funcionando para as mulheres como uma versão em paródia da dança masculina. Pode-se encontrar para este ritmo o nome de Ghawazi, para um estilo de Dança em particular, que é conhecido por Dança Cigana Egípcia.


Masmoudi - Este ritmo é caracterizado pela união de duas frases com quatro compassos cada. Às vezes a primeira frase tem duas batidas condutoras. Uma dessas versões é chamada "masmoudi guerreando" - supõe-se que soa como um homem e uma mulher brigando. A versão que possui três batidas condutoras é usualmente chamada "masmoudi caminhando".
Masmoudi é muito comum na música para dança, aparecendo para intensificar a percussão, criando um momento especial na apresentação de riqueza inesperada.


- Baladi –DUM DUM ESS TAC DUM ESS TAC ESS


- Maksoum - DUM TAC ESS TAC DUM ESS TAC ESS


- Said - DUM TAC ESS DUM DUM ESS TAC ESS


- Masmoudi Kabir- DUM DUM ESS TAC ESS TAC DUM ESS TAC ESS TAC ESS




Chiftitelly/  Wahda Tawila


Este ritmo Turco ou Grego é caracterizado por não ter acento no terceiro tempo e apresentar forte acento no quinto, sexto e sétimo tempo. Em sua essência é como outros similar ao Maqsum. Muito comum na Turquia e outros países, é tocado de forma lenta e moderada preferencialmente mantendo espaços entre as batidas. Os "darbackistas" apreciam completá-lo com improvisações inesperadas e criativas. Frequentemente este ritmo aparece acompanhando um Taksim (improvisação melódica).

Chiftitelly- DUM ESS ESS ESS TAC ESS TAC ESS DUM ESS ESS ESS TAC ESS ESS ESS



Ayoub


Comum e claro 2/4. Tocado no Oriente desde a Turquia até o Egito. É usado de forma lenta para uma dança tribal no norte da África chamada Zaar. No Marrocos, também aparece numa versão com seis batidas por compasso. É tocado de forma acelerada para os passos rápidos na dança oriental e no folclore.Alguns dizem que Ayoub é supostamente o som que poderia ilustrar na dança o andar do camelo. A dança dos cavalos típica do Egito tem por base o ritmo Ayoub.

Ayoub - DUM ESS DUM TAC



Malfouf, Soud (Khallige)


Ritmos Orientais com oito batidas por compasso, que são compostos por grupos de três, três e duas batidas, onde o assento está no primeiro tempo de cada grupo. São encontrados através de todo o Mediterrâneo e Oriente Médio. Na Arábia Saudita, seu nome é Saudi ou Khaligi, é tocado de forma mais lenta e incompleto com espaços de som, os Dums estão no tempo um e três. No Egito e Líbano, é chamado Malfuf, mais preenchido e acentuado muitas vezes com o Dum apenas no primeiro tempo.Malfuf é usado para acompanhar danças em grupos, coreografias, músicas modernas ou populares. Poderá ser encontrado também nas entradas e saídas de shows por oferecer constância e velocidade necessárias para esses momentos.

Soud - DUM ESS DUM ESS TAC ESS



Malfouf - DUM ESS TAC ESS TAC





Samaai


Bastante utilizado na música Síria no estilo moasashat.Ritmo usado na maioria das vezes na sua candência lenta, possui uma seqüência de três partes. Compõe um ritmo 10/8.  


Samaai -DUM ESS ESS TAC ESS DUM DUM TAC ESS ESS


Karachi ,Falahi e Zaffa


- Karachi – Ritmo 2/8 rápido, utilizado bastante no Egito e no norte da África.
Karachi - TAC ESS TAC DUM


- Fallahi – Originário do. Egito fallahi significa camponeses nome dado aos trabalhadores dos campos egípcios que utilizam este ritmo 3/4 em suas celebrações.


Falahi - DUM TAC TAC ESS


- Zaffa – Ritmo 4/4 utilizado em cerimônias de casamento. Dançarinos e músicos acompanham os noivos em sua chegada e sua saída.


Zaffa - DUM TAC TAC TAC DUM ESS TAC ESS




Rush


O rush não é considerado um ritmo musical, ele é mais um floreado utilizado pelo percussionista, que cria grande impacto na audiência. Não possui acento pré-determinado nem contagem. Os dedos passeiam com rapidez assombrosa no darback, criando a sensação de vibração sonora. As flutuações de aceleração são totalmente improvisadas, bailarina e músico devem estar perfeitamente entrosados. Para o espectador, o instrumento leva a música para dentro de seus ouvidos e o corpo da bailarina deverá ser a tradução exata das impressões sonoras recebidas.



3) Principais Instrumentos Musicais Árabes



texto de Jamal Ibrahim Elias



O Bendair lembra o Taar, mas sem os disquinhos metálicos. O instrumento tem uma entonação como o tambor do lado Oeste. O Taar é outro tipo de tamborim com pratinhos que chacoalham na lateral.

Al-qanoon é um instrumento trapezoidal com um alcance de 3 oitavas que é tocado com o auxílio de um plectro e utilizando os dedos de ambas as mãos. O número total de cordas pode variar entre 64 e 82.

Al-'ud possui uma forma de meia-pêra com "tiras de madeira, o 'ud tem de 10 a 12 cordas, é tocado com um pequeno plectro. Mr. Farmer em "O Legado do Islam" (1931)

Os outros dois instrumentos mais famosos usados na musica Beduína são o naay e rababeh ou rebec. Rababeh é um instrumento de uma corda simples com uma caixa sonora quadrada tocado como um violino. O rababeh foi levado para a Espanha pelos árabes e distribuído a partir dela para a Europa com o nome rebec.

Todo corpo lingüístico musical necessita de um instrumento base. O piano, por exemplo, serviu para os grandes compositores ocidentais corno instrumento base de estudo, expressando a física e a lógica da orquestração. Na música árabe, o alaúde era o instrumento nobre que apoiava toda a estrutura formal da ciência musical. Foi freqüentemente usado para estudo, demonstração e explicação da matemática dos elementos essenciais da musica árabe. De sonoridade frágil e doce, de curvatura e forma sensuais, e de um corpo ricamente embelezado por arabescos, o alaúde levou poetas e pintores a empregarem o "verbete" do seu nome e nas suas poesias e quadros, retratando, assim, os romances inocentes e o símbolo da música divina.  Outro instrumento de grande importância é o “Qanun”. Sua caixa trapezoidal e suas vinte e quatro cordas triplas dão à orquestra árabe um som  místico e fundamenta!  A palavra "Qanun" significa "Lei" e talvez o seu criador, Al-Farabi, quis projetar no seu instrumento todas as leis da musica árabe. Difícil e o seu aprendizado. Poucas são as pessoas que conseguem tocá-lo. O "Nay", uma flauta oblíqua de bambu, é o instrumento usado com freqüência na música folclórica. Seu som rasgado e seu timbre rascante despertam nos corações algo esquecido de saudade; um lamento distante. É o favorito por certas ordens místicas. O "Derbakeh", espécie de vaso de cerâmica e atualmente de metal, coberto com pele de animal bem esticada, é o instrumento base para o ritmo. A "Kamanja" ou  “Kaman” é o violino oriental usado na orquestração egípcia, libanesa e síria. O " Rabab”, instrumento de uma ou duas cordas, deu origem à “Rebeca” e é usado na Síria e Iraque.  O "Buzuki", que deu origem ao "Buzuki grego", é mais usado no Líbano e Síria. Instrumentos como o “Tabl” ( espécie de tambor ), “Mizmar” ( flauta de metal), “ Daf” ( pandeiro ) e tantos outros,  enriquecem atualmente as orquestras árabes numa variedade invejável de sons e ritmos.



4  Tarefa.


Em equipe – 2 ou 3 pessoas ou individual


Trazer uma música árabe com no mínimo 3 ritmos árabes para apresentar executando com 1 instrumento musical .





5 Referências:


©       "Uma História da Musica Árabe", por Henry George Farmer, publicada por Lowe &Brydone, Haverhill, Suffolk, England, 1929.


©      “Musica Antiga e Oriental" por Egon Wellesz, publicado por Oxford University Press.


©      Artigo em "Musica Arabe" por Halim Dabh, The Arab World Magazine Jan.-Feb. 1966 (Arab Information Center, New York)


©      Site da Banda Laieli Almaza - http://www.laielialmaza.com.br/






Músicas e ritmos selecionados para o módulo






1)Maqsum Saguir - ritmo


2)Maqsum- Reda – ritmo e música


3)Maqsum Kabir - ritmo


4)Maqsum saguir e kabir - música


5)Maqsum Farida Fahmy - ritmo


6)Saidi - ritmo


7)Said – Reda – ritmo e música


8)Masmoudi Saguir - ritmo


9)Mamoudi Kabir - ritmo


10)Masmoudi Saguir – música


11)Masmoudi Kabir – música


12) Masmoudi – Reda- ritmo e música


13)Wahda Tawila - ritmo


14)Chiftetelly – ritmo


15)Malfouf – ritmo


16)Malfouf- música


17) Karatchi – ritmo


18)Karatchi – música


19)Falahi – ritmo


20) Falahi – música


21)Samaai – ritmo


22)Samaai - música


23) Khallige – George Mozayek


24)Ayoub/Zaar/Soud


25) zaffa


26) rush